Sonia Von Brusky

Sonia Von Brusky

Voltar

A0172

Sonia Von Brusky Sales da Fonsêca (Rio de Janeiro RJ 1941). Pintora, escultora, gravadora e desenhista. Estuda com Ivan Serpa no Museu de Arte Moderna e no ateliê do artista, em 1967 e realiza sua primeira exposição individual na Galeria Domus, em 1968, no Rio de Janeiro. Viaja para Europa em 1971, quando faz contato com artistas e participa de exposições. Em 1974, cursa cenografia com Helio Eichbauer na EAV/Parque Lage do Rio de Janeiro. Entre 1984 e 1988, integra a diretoria da Associação Profissional de Artistas Plásticos e, em 1990, cria o Centro Cultural Sonia Von Brusky, em São Paulo. Em 1991 e 1992, realiza interferências no metrô de Londres, Inglaterra e Paris, França.

Nascimento
1941 - Rio de Janeiro RJ
Formação
1967 - Rio de Janeiro RJ - Estuda com Ivan Serpa, no MAM/RJ e no ateliê do artista
1974 - Rio de Janeiro RJ - Estuda cenografia com Helio Eichbauer, na EAV/Parque Lage
Cronologia
Pintora, escultora, gravadora, desenhista

ca.1947- Niterói RJ - Vive nessa cidade
ca.1968 - Rio de Janeiro RJ - Vive nessa cidade
1981 - São Paulo SP - Vive nessa cidade
1984/1988 - São Paulo SP - Integra a diretoria da Associação Profissional de Artistas Plásticos - APAP
1990 - São Paulo SP - Cria o Centro Cultural Sonia Von Brusky
1991/1992 - Londres (Inglaterra) e Paris (França) - Realiza interferências no metrô dessas cidades

Críticas
'Focalizando a mulher, por autoconhecimento feroz de suas limitações e anseios, Sonia Von Brusky amplia esta reivindicação a todo ser castrado pelo poderio estabelecido, e incita cada um a vasculhar no seu íntimo o possível fracasso humano e a tentativa de reposição de uma verdade que o salve de ser um simples manequim ambulante. O personagem desta desenhista é isto, um manequim: o mundo surrealista onde ele se move é teatral, graficamente econômico e espantosamente técnico'.
SONIA von Brusky: pinturas e jóias. Apresentação de Jacob Klintowitz. São Paulo: Renato Magalhães Gouvea Galeria de Arte, 1979.

'São cartas (envelopes) com endereços, selos e carimbos, cartas escritas por gente humana e entregues ao correio, jogadas em suas pinturas irregularmente num espaço vazio, cercadas e semi-fechadas por varas mecânicas de uma arquitetura ocasional. O humano com sua tenuidade, sensibilidade e angústia, justaposto ao mecânico, férreo, às leis instransponíveis que regem a vida humana. Assim é que Sonia capta e transmite o drama dos seres. O elemento do acaso (as cartas postais são jogadas no espaço da tela como as cartas do baralho, ocasionalmente jogadas em cima da mesa), em diálogo com o elemento construtivo, estável, calculado e firme. O frágil, o instável, o sensível acoplado com o sólido, o permanente, o coeso'.
Theon Spanudis
LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.